Aquilo que é nocivo, não é meu amigo!

quinta-feira, 30 de agosto de 2018 2 comentários
reprodução instagram

As minhas tias paternas não compram produtos em brechós e tentam me converter às ideias. O motivo é simples: "Vêm com más energias!".
Ofensivo.

Hoje, li algo que me incomodou: "Não compre filtros na rua de qualquer pessoa (sic), alguns foram feitos por presidiários e não contém boas energias!". Fala-se de filtro dos sonhos, mas vamos falar das coisas, com amplitude.

Alguém tão próximo de mim, com sangue pulsante da minha avó materna, esteve em reclusão por anos, cumprindo pena por posse de entorpecentes com intenção de tráfico e distribuição. Ele disse que era para o próprio consumo - e eu acredito, sabemos quem é que é o alvo da PM.
Não sei ao certo se, nas visitas, entre idas e vindas da tua mãe, ela trouxe um novelo de lã que sobrara de um dos teus trabalhos. Minhã mãe fez uma blusa macia, que isola o frio do lado de fora do meu peito - e mantém em temperatura natural meu coração aquariano.

Passaram os anos, sigo/seguimos sem consequências má enérgicas. E não que em momento algum, esperei essa tal energia inimiga chegar. Mas ela não veio.

Os artigos produzido das atividades oriundas da detenção, são frutos da promoção  - ou tentativa de - da reinserção social por meio socioeducativo. Como pode advir do mal, o fruto gerado em nome do bem?
É bom que tomemos conhecimento de uma absolvição com nome de "redenção", o que não se aplica para todos - pois depende tão somente de cada um - mas, porque não considerá-la no pré julgamento?
O julgo humano não é suave.

Quanto aos brechós: quem sofrerá, ou deixará de ser ajudado, com a minha rejeição em apoiar o terceiro setor?
O terceiro setor é a ação afirmativa aos necessitados, que compensa o descaso do Estado; a politica publica de iniciativa privada. O quão difícil às organizações assistenciais e entidades filantrópicas, é "empreender" em prol social? Não devemos compactuar com os incentivos?

Mas é obvio que a recusa justificada se trata de espiritualidade. Quanto ao que você considera frutos podres: qual é o milagre que teu Santo não possa fazer? Qual a vez que teu Santo renunciou a tua proteção? Que Santo é bom para você, mas se recusa amparar a criatura desamparada?
[Para além disso, a hipocrisia: porque você pode doar, mas não pode adquirir originários de doações?]
O meu Santo é onipotente, onisciente e onipresente. Eu não ousaria justificar minha deformidade ótica em Teu nome.

Comprar roupas e artigos novos baratíssimos, proveniente de mão de obra análoga a escravidão, promovendo o capitalismo selvagem, não tem problema?

Somos melhores que o outro? Não eu, por compaixão. Nossas escolhas deixam de ser justas quando causa dano ou lesão ao outro.

Quem ou o que, têm sido nocivo? Depende da perspectiva de quem vê.

"Das utopias"

Nenhum comentário
"Se as coisas são inatingíveis... ora!
não é motivo para não querê-las.
Que tristes os caminhos, se não fora
a mágica presença das estrelas!"

💬 Mário de Miranda Quintana foi um poeta, tradutor e jornalista brasileiro (30 Julho 1906 - 05 Maio 1994).

via: "Escritas.org"

"Still I Rise"

quarta-feira, 29 de agosto de 2018 Nenhum comentário
"Você pode me inscrever na história
Com as mentiras amargas que contar
Você pode me arrastar no pó,
Ainda assim, como pó, vou me levantar

Minha elegância o perturba?
Por que você afunda no pesar?
Porque eu caminho como se eu tivesse
Petróleo jorrando na sala de estar

Assim como a lua ou o sol
Com a certeza das ondas no mar
Como se ergue a esperança
Ainda assim, vou me levantar

Você queria me ver abatida?
Cabeça baixa, olhar caído,
Ombros curvados como lágrimas,
Com a alma a gritar enfraquecida?

Minha altivez o ofende?
Não leve isso tão a mal
Só porque eu rio como se tivesse
Minas de ouro no quintal

Você pode me fuzilar com palavras
E me retalhar com seu olhar
Pode me matar com seu ódio
Ainda assim, como ar, vou me levantar

Minha sensualidade o agita
E você, surpreso, se admira
Ao me ver dançar como se tivesse
Diamantes na altura da virilha?

Das choças dessa história escandalosa
Eu me levanto
De um passado que se ancora doloroso
Eu me levanto
Sou um oceano negro, vasto e irrequieto
Indo e vindo contra as marés eu me elevo
Esquecendo noites de terror e medo
Eu me levanto
Numa luz incomumente clara de manhã cedo
Eu me levanto
Trazendo os dons dos meus antepassados
Eu sou o sonho e as esperanças dos escravos
Eu me levanto
Eu me levanto
Eu me levanto."

💬 Poema de Maya Angelou. Escritora, ativista, foi dançarina, cantora, motorista de ônibus, editora de uma revista no Cairo (Egito) e assistente administrativa em Gana, atriz, professora e pesquisadora, entre outras atividades. Foi amiga de alguns dos maiores líderes negros do século 20, como James Baldwin, Martin Luther King Jr. e Malcolm X.

tradução: "Francesca Angiolillo"
via: "Folha

"Blackbird"

Nenhum comentário
"Por que você quer voar pássaro negro?
Você jamais vai voar

Não há lugar grande o suficiente para suportar todas as lágrimas que vai chorar

Porque o nome da sua mãe era solidão e o
nome de seu pai era a dor

E eles te chamam de pequena tristeza porque
você nunca vai amar novamente
Então porque você quer voar pássaro negro
você jamais vai voar

Você não tem ninguém para te abraçar você
não tem ninguém para cuidar

Se você apenas entender querida ninguém
quer você em qualquer lugar

Então porque você quer voar pássaro negro
você jamais vai voar."

💬 Música de Nina Simone. Eunice Kathleen Waymon mais conhecida pelo nome artístico (Tryon, 21 de fevereiro de 1933 – Carry-le-Rouet, 21 de abril de 2003) foi uma pianista, cantora, compositora e ativista pelos direitos civis norte-americanos.

letra: "Vagalume"

"Ain't I a woman?"

Nenhum comentário
"Bem crianças, onde há muita algazarra, deve haver alguma coisa fora da ordem. Eu acho que com essa mistura de negros do sul e mulheres do norte, todos falando sobre direitos… os homens brancos vão estar em uma enrascada rapidinho. Mas sobre o que estamos falando aqui?

Aqueles homens ali dizem que as mulheres precisam de ajuda para subir em carruagens, serem levantadas sobre valas e ter o melhor lugar onde quer que estejam. Ninguém jamais me ajudou a subir em carruagens, ou a saltar sobre poças de lama, ou me deu qualquer “melhor lugar”! E não sou uma mulher? Olhem para mim!

Olhem para meus braços! Arei a terra, plantei, juntei a colheita nos celeiros, e nenhum homem podia se igualar a mim! E não sou eu uma mulher? Eu podia trabalhar tanto e comer tanto quanto um homem – quando eu conseguia comida – e suportar o chicote também! E não sou uma mulher? Eu pari treze filhos e vi a maioria deles ser vendida para a escravidão, e quando eu chorei meu luto de mãe, ninguém a não ser Jesus me ouviu! E não sou uma mulher?

Daí eles falam dessa coisa na cabeça… como eles chamam isso? Intelecto. É isso mesmo, querido. Bem, o que isso tem a ver com os direitos das mulheres? Ou com o direito dos negros? Se o meu copo não tem mais que um quarto, e o seu está cheio, não seria maldade não deixar que eu tenha minha meia medida cheia?

E aí vem aquele homenzinho de preto ali e diz: “Mulheres não podem ter os mesmos direitos que homens porque Cristo não era mulher!” Ora, de onde veio o seu Cristo? De onde veio o seu Cristo? De Deus e de uma mulher! Homens não tiveram nada a ver com isso. Se a primeira mulher que Deus fez foi forte o bastante para virar o mundo de cabeça para baixo sozinha, todas estas mulheres juntas aqui devem ser capazes de colocar ele de cabeça pra cima de novo! E agora que elas estão pedindo para fazer isso, é melhor os homens deixarem!"

💬 Não sou eu uma mulher?, proferido por Sojourner Truth em 1851 durante uma convenção em Akron, Ohio, Estados Unidos. 
Sojourner - nascida Isabella Baumfree em 1797, ela mudou seu nome em 1843 para Sojourner, que significa "peregrina" -, escrava liberta que se tornou abolicionista e ativista pelos direitos das mulheres.

disponível em: "Clarices e Marias"

Como extinguir estupradores?

segunda-feira, 27 de agosto de 2018 Nenhum comentário
Tortura, é a imposição de força de um indivíduo sobre o outro; a dominação para fins de "crueldade, intimidação ou punição", tendo como consequência o dano físico ou psicológico, a destruição da individualidade. Isso é o estupro.

Supremacia de gênero, é a ideologia conservadora de que existe diferença de importância entre os gêneros ou que um é mais legítimo que os outros. Em questão, o masculino é universalmente superiorizado e os que sustentam isso, sentem repulsão por todos os outros gêneros. O estupro tenta afirmar isso.

Objetificação, é o ato de tratar outro individuo como descartável, considerando que o mesmo não tem caráter de unicidade e que não é senciente. O descartável é o que "se deita fora após uma ou mais utilizações, objeto facilmente substituível". É essa a perspectiva do estuprador para com a vitima.

Estas são apenas três das violações.

Para qualquer sujeito capaz de pensamentos coesos, sem mais é possível perceber que estas e outras não são reproduzidas pelo órgão sexual masculino. São exercidas e reproduzidas por seres humanos concebidos com o órgão sexual masculino.

A inibição do impulso sexual em forma química ou cirúrgica é "corrida perdida antes mesmo da largada". A diminuição do desejo sexual ou da possibilidade de ereção não faz com que o individuo perca o interesse em violentar, visto que existem outros instrumentos passiveis de violar a vitima tanto quanto o falo. O fato é que o ato não será impedido de ser cometido. Os meios não altera o fim.

O próprio autor da PL 5398-2013 é um estuprador em potencial/recluso (que pensa que relação sexual forçada, o estupro, é método corretivo para algo que acredita ser verdade única) e vive a insultar e violar - com palavras, até então - a população feminina. Haja visto seus pensamentos expostos, tal como "Só não te estupro porque você não merece".

Pode um individuo exercer a defesa e a acusação de uma única parte, simultaneamente?

Considerando a laicidade, não seria bom que incluíssemos na analise a fé que Jair Messias diz professar. Mas, no minimo, com tamanha hipocrisia perfaçamos que este é um discípulo adepto a traição.
O que diz "Michelle, enquanto não faltar água no mar, não deixarei de te amar" para a esposa, também diz "...Foram quatros homens. Aí, no quinto eu dei uma fraquejada e veio mulher". [O Pai fraquejou? A Tua imagem e semelhança, podemos descartar?]

Pode um individuo exercer a defesa e a acusação de uma única parte, simultaneamente?

A castração não é o gume que corta os pés do mal para que deixe de caminhar. O projeto é tanto incoerente que propõem voluntariedade do transgressor: considerando a fragilidade da nossa construção social de masculinidade, só consigo pensar em "o voluntário involuntário".
As medidas correcionais devem funcionar segundo a sociedade qual será aplicada, e não apropriar-se de leis estrangeiras considerando que estas são onipresentemente eficaz.

Deve-se pensar em anticonceptivos e não em "pilulas do dia seguinte". Mas para tal, é necessário que isto seja feito a partir da perspectiva do sujeito vitima, ou seja, mulheres precisam ser eleitas, para pensarem políticas feministas - que também tenha como objetivo a proteção integral da criança e do adolescente.

Não se pensa solução sem antes pensar prevenção. Deve-se viabilizar mecanismos que invistam em educação progressivamente efetiva, pois enquanto for precária ou nula, terão que continuar alimentando os sistemas de repressão e punição, os quais dissecam e consomem "corpos vazios e sem ética".
Educação de qualidade, não significa que pessoas violentas deixarão de agir, mas reduzirá a propensão para corrupção ao ensinarmos às nossas crianças como serem íntegras e mais próximas da irrepreensibilidade social.

E nós, individualmente perceptores de sentidos e socialmente lúcidos, cuidemos de nossa estabilidade psicológica - o que tem sido luta íngreme - para que juntos e com firmeza, não deixemos sucumbir a consciência social em nome da justiça [revolucionária].

 esta soy yo!Eli Belizário
Pitaqueira em assuntos importantes e/ou legais 😊

Indivisíveis!

sábado, 25 de agosto de 2018 Nenhum comentário
O mal não pode te alcançar ou decerto chegará tarde, depois que tiveres imune. Fé para isso, eu tenho. Para isso, eu tenho. Indivisíveis: tu e minha oração.

Culpados demais para sermos bons...

segunda-feira, 13 de agosto de 2018 Nenhum comentário
A culpa - tratando aqui, tocante a psique -  é a frustração que nasce da ânsia que temos em sermos perfeitos/em nos sentirmos completos, mas que por alguma(s) circunstancia(s), não conseguimos alcançar esse modelo imposto - imposição essa, que pode ser de nós para nós, ou de outrem para nós.

Essa construção do pensamento de que fizemos algo errado/que deixamos de fazer algo que poderíamos ter feito/que algo fizemos foi prejudicial à alguém, resulta nesse sentimento.
De imediato e por tempo indeterminado, nos punimos de formas cruéis, como: nos privamos/abstemos das ações que gostamos, exercemos auto pressão psicológica, confessamos e nos penalizamos como arrependimento em troca de absolvição divina...

Consequentemente, a culpa nos provoca percepção de insignificância, como se fossemos tão inúteis que nada sabemos fazer de modo eficaz. Ou ainda, importantes demais, ao nos indiciar como delituosos em vidas alheias. Importantes demais, porque de fato, não temos poder efetivo no outro, somente se o mesmo permitir, contudo, esse é um dos efeitos maléficos duma relação abusiva.

"Cada escolha, uma renúncia, isso é a vida...", temos que lutar pela nossa recomposição. Se a verdade nos liberta, a batalha repressiva contra nós está edificada na mentira.

Compreendamos a raiz do sentimento, peçamos perdão; perdoemos-nos; aceitemos o problema, pois não podemos ter controle sobre tudo; tentemos não repetir outra vez... E claro, ao ponto, busquemos por um profissional.
Sejamos auto empáticos, como seríamos com nossos queridos!

Reabilitemos-nos, sem penalização.


 esta soy yo!Eli Belizário
Pitaqueira em assuntos importantes e/ou legais 😊

Afro cristãos brasileiros sofrem amnésia histórica?

domingo, 12 de agosto de 2018 2 comentários
CATOLICISMO E EVANGELIZAÇÃO
No inicio dos últimos cinco seculos, houveram projetos de evangelização, sob olhos colonizadores. O Império concedia poder para a Igreja, que por sua vez tinha poder influenciador na vida politica do país.
A posição da Igreja em relação aos escravizados era de consenso com a opressão, pois não os acolhiam, uma vez que vigorava uma união exploradora com colonizadores.
As propostas evangelizadoras não tinham como interesse a emancipação dos escravos. Os negros não eram aceitos e não lhes eram assegurados o direito de exercer a fé em sua própria religião: assistiam "do lado de fora" ou praticavam sincretismo.
(Mas antes mesmo de grande parte da Europa, o cristianismo se difundiu na Etiópia (no Império de Axum), conclui-se que, posteriormente, os negros não se apropriaram da fé do opressor).

A INSTALAÇÃO DO PROTESTANTISMO NO PAÍS E SUA [NÃO]PREOCUPAÇÃO COM A ESCRAVIDÃO
No século XIX, uma nova vertente do cristianismo, a Igreja Reformada se instala definitivamente no Brasil. 

No inicio não foi tarefa fácil, sofreu rejeição, expulsão, perseguição e conflitos de interesses constantes entre católicos e protestantes.

O Protestantismo chega com a proposta de renascimento, inclusão e [re-]humanização, também aos imigrantes: um Deus que não abraça tão somente a burguesia capitalista. Seria esse o inicio do progresso, do reconhecimento e da atribuição de dignidade humana aos oprimidos? O inicio da emancipacão?

Os missionários em sua maioria eram norte-americanos. Seus principais ideais eram a separação entre a Igreja e o Estado; promover a educação, a democracia e a liberdade de pensamento. Se identificavam como Liberalistas.
Porém, além de instruírem os novos convertidos a libertarem seu súditos, não concretizaram ações que de fato mudaram a ordem social estabelecida. Outros agentes missionários ainda, usaram de mão-de-obra escrava para se instalarem no sudeste brasileiro.

A grosso modo, só concordaram e assumiram posições mais brandas e contrárias ao sistema governamental escravocrata, quando o mesmo foi abolido - mas há muito a ser lido sobre as posições declaradas e individuais, das diversas igrejas protestantes.

À MARGEM SOCIAL, NUM NÃO LUGAR
Contudo, o movimento cristão - de modo geral -, foi seletivamente acolhedor e comungou com a escravidão - houve consenso ao não ser anti-escravista. Não promoveu o discurso e ações emancipacionistas efetivas.

O Protestantismo correspondia com os interesses da classe dominante - os senhores de terras/senhores de escravos. Isso era claramente visível nos veículos impressos - de autoria dos missionários protestantes -, por exemplo, o povo negro não era contemplado como agente de mudança histórico-social - mas sim quem antes o detinha: os senhores.
Nesse momento - após a abolição - a visão que se tinha é de que o povo negro deveria ser "resgatado, regenerado e educado", segundo os princípios morais protestantes e então só assim este se tornaria humilde e distante da rebeldia (raiva), para que pudesse se tornar produtivo e ativamente saudável na práxis: o caminho que leva a sociedade a liberdade.

Desprendido de seus senhores e teoricamente livres, os negros se perceberam num não lugar, instalados numa sociedade com bases racistas, sem infraestrutura ou oportunidades de trabalhos para se edificarem - sozinhos - como humano.

A FÉ QUE LIBERTA: CONTRA TODA OPRESSÃO
Um pulo - com pernas grandes - aos dias atuais, para compreender de forma coesa a presença negra num espaço considerado racista - pós conhecimento da participação dessa fé, num sistema escravocrata.

A leitura do livro sagrado, a Bíblia, desde o princípio foi feita a partir do olhar eurocêntrico, sexista, classista...
Para o começo de uma fé libertadora, é preciso que a hermenêutica seja apropriada a partir da perspectiva e história de quem a lê - por exemplo, quando os negros, a classe dominada, as minorias tornam sujeitos que reinterpretam e conduzem o sentido da leitura é diferente de como o cristão-fascista a faz.
Não há leitura neutra e absoluta e com isso é possível [re]conhecer o Evangelho, que é de fato acolhedor, abundante em amor.

"É importante ressaltar que, em momento algum, a Bíblia foi neutra diante da escravidão, antes serviu como “ferro em brasa” e “algemas” que aprisionavam negras e negros no “doce inferno” do engenho de açúcar." (...) "foi usada não apenas para legitimar a escravidão, mas também para amaldiçoar o povo negro, através de sua interpretação repleta de etnocentrismo"(ref. 1)

A Teologia Negra (Teologia da Libertação) - surgiu entre 1966 e 1969 nos Estados Unidos, sob a liderança de Martin Luther King - nasce da discriminação vivida e designa a libertação do "pecado social que marginaliza e escraviza".

"...Ela se concentra na reflexão teológica sobre a luta dos negros norte americanos, liderados no princípio pelo pastor batista Martin Luther King Jr., para conseguirem a justiça e libertação sociais, políticas e econômicas numa sociedade dominada pelos brancos. (...) Ela encontra na Bíblia uma base para o sentido político da libertação, isto é, o êxodo do Egito. E ela encontra na experiência religiosa dos escravos negros, manifestada nos seus cânticos, sermões e orações que destacam a ressurreição de Jesus, a base para o sentido escatológico ou futurista da libertação. A teologia negra pode ser classificada como um tipo de teologia de libertação, pois ela se preocupa basicamente com a libertação de um grupo de oprimidos..." (ref. 9)

O povo negro cristão, reconhece o Evangelho como potencial libertador, trazido por Jesus Cristo, Aquele que foi penalizado com morte por sustentar seus princípios de justiça.
A divida histórico-social com os negros, não deve ser atribuída a Deus e seus ensinamentos. Iniciou-se com a leitura e [não]ações intencionalmente violentas pregada pelo Estado-Igreja, para legitimar seus interesses.

Pelas vezes que puseram sob analise a sanidade negra e a atribuíram incapacidade coerencial, quando este sujeito se afirma cristão: não há amnesia histórica. É preciso reinterpretar as escrituras - pela perspectiva do oprimido - e a representação de Jesus:
"Aquele que condenou o acúmulo de riquezas; andou com os pobres; anunciou a partilha dos bens; disse quera preciso escolher entre o amor a Deus ou ao dinheiro; impediu processos de execução; não estimulou a violência; acolheu as pessoas humilhadas pelos preconceitos culturais e religiosos; confrontou as estruturas de poder..." (...) "precisamos abraçar a causa da justiça econômica; do respeito à diversidade; da critica ao poder; do grito dos oprimidos."(ref. 2)
"Liberto e livre, ninguém aqui é incapaz,
Viver bem com a consciência Plantando a semente da paz
Ajudar ao próximo mais do que você pode
Sei que és forte, corajoso, não mede esforços,
A força divina não vai lhe abandonar,
O despertar do amanhecer é uma nova conquista,
De quem não se entregou e para aquele que acredita,
Injustiça não há nas mãos de Deus,
Se apegue a ele...
" (Se tu lutas, tu conquistas", Somos Nós a Justiça) 
Prevaleçam o Amor e a Caridade. Permaneçam a lucidez, a participação social, a promoção da dignidade da vida, o movimento progressista... que Teus passos sejam seguidos.
A Tua imagem e semelhança: um Jesus que abraça a diversidade e desmonta o etnocentrismo.
_
Indicação:
a. "Não existe leitura neutra da Bíblia", Ronilso Pacheco. <link>

Referencias bibliográficas:
1. "Hermenêutica Negra Feminista: um ensaio de interpretação de Cântico dos Cânticos 1.5-6"., Cleusa Caldeira. <link>
2. "Jesus era de esquerda?", Henrique Vieira. <link>
3. "Como a Igreja Católica tratou negros e negras nestes 507 anos?", David Raimundo dos Santos. <link>
4. "'Negro não entra na igreja: espia da banda de fora' - protestantismo e escravidão no Brasil Império", Márcia Leitão Pinheiro (resenha do livro). <link>
5. "500 anos do Protestantismo e escravidão no Brasil", Hernani Francisco da Silva (para Afrokut). <link>
6. "As igrejas coptas da Etiópia: Em busca das raízes cristãs", Marcello Lorrai. <link
7. "Afro Cristianismo no Brasil", Marco Antonio Sá. <link>
8. "O Protestantismo no Brasil", Alderi Souza de Matos. <link>
9. "A Teologia Negra: Uma introdução", Filipe Dunaway. <link>


 esta soy yo!Eli Belizário
Cristã, afrofeminista
sábado, 4 de agosto de 2018 Nenhum comentário
Tua meia palavra dita,
farta-me a dúvida.
Tal como a Lua quando não se mostra inteira,
no entanto, todos sabem que é noite.

Autossuficiência - Um eu pra chamar de meu

Nenhum comentário
As distorções sociais e os padrões do que é belo tem base na construção de visão eurocêntrica. É quase inevitável que nós, cresçamos não gostando o bastante do que vemos, uma vez que o que vemos não é considerado belo.

Há mais de 4 anos, eu decidi que as amizades masculinas eram menos violentas comigo. Quando cheguei no ensino técnico, eu tinha uma amiga, que veio comigo dos dois últimos anos do ensino intermediário.
Eramos nós duas. Mais tarde, eramos nos duas e quatro meninos. E depois, eramos eu e mais quatro meninos e foi assim até o término.

A época, pra mim era vantajoso ter amizades masculinas ao invés de femininas. O meu pensamento era o seguinte: 
  1. Eu não estou a altura dessas meninas, logo, elas não vão querer andar comigo;
  2. Os meninos são menos exigentes;
  3. As namoradas desses meninos nunca terão problema comigo - porque eu não sou mais bonita do que elas.


Eu tinha 17 anos. Quem tem esse pensamento à beira de se tornar adulta? Pessoa que se sente submissa a alguma coisa - no meu caso, o não conhecimento de tudo que era.

Esse período, foi justamente quando fiz o tal grande corte (big chop).
Meus amigos homens nunca questionaram, talvez não teria sido assim com as meninas, ou talvez aqueles meninos não tiveram coragem suficientemente para me questionar, ou talvez ainda, aquilo fora irrelevante para eles. Mas eu desconfio que em algum momento, longe de mim, certeza que eles conversaram sobre isso.

Naquele tempo, eu nem imaginava o que podia ser a independência emocional. Eu alimentava o mal que me consumia. Eu acreditava que as pessoas viam em mim, o que eu também via em mim. Acreditava que eu era difícil de ser amada e que deveria buscar estar perto de quem me engolia sem cara feia - e por dentro, eu os agradecia por isso.

Mas agora, é importante que a gente trabalhe no desenvolvimento dessa autonomia. Não há nenhuma bondade com nós ao nos reduzirmos.
A nossa relação com nós, deve ser simultânea a qualquer outra relação. Porque, quando a gente precisa de forças pra continuar, é só nós mesmos que nós temos. A felicidade e o amor, estes, precisamos construir dentro de nós, pra não precisarmos depender disso vindo outro.

Quando a alma sangra a gente precisa pedir socorro. É difícil se reconstruir diante da rejeição vinda da rotulação de inadequação social. E essa rejeição não pode nos transferir a culpa, porque o não querer/a rejeição não depende de nós, isso também é proveniente de quem faz essa escolha - "se o racismo não me acha bonita e importante, o causador desse problema não sou eu".

E não importa em qual lentidão isso aconteça, progresso é progresso.
E depois que a gente conquista essa autossuficiência, o negocio é perseverar. Perseverar pra não cair na tentação do regresso.

(Esse texto é quase que uma réplica integra do meu último vídeo)
 
Desenvolvido por Michelly Melo | Ilustração por heypik.com